Infestação pelo Aedes aegypti diminui em todo o Ceará

Por Assessoria de Comunicação da Sesa 13/03/2018 - 19:29 hs

O número de municípios cearenses com alta infestação pelo mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zika diminuiu de 45 em 2017 para 19 em 2018, no primeiro Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa) do ano, redução proporcional de 65,85%. Ao mesmo tempo, o número de municípios com infestação satisfatória saltou de 56 para 100, aumento proporcional de 44,43%. Realizaram o primeiro LIRAa do ano, 183 dos 184 municípios cearenses e 54,64% apresentaram baixa infestação, 34,97% média infestação e 10,38% alta infestação.

O Levantamento Rápido de Índice para Aedes aegypti (LIRAa) é um método amostral que tem como objetivo principal a obtenção de indicadores entomológicos de maneira rápida. Ocorre em quatro etapas: planejamento com definição da amostra, execução da pesquisa, análise e avaliação dos resultados. Municípios que possuam mais de 2.000 imóveis na zona urbana estão aptos a realizar o LIRAa. Aqueles com imóveis abaixo deste limite realizam o Levantamento de Índice Amostral (LIA), conforme descrito nas “Diretrizes Nacionais de Prevenção e Controle da Dengue”.

Pelo LIRAa, estão em situação de risco municípios com Índice de Infestação Predial (IIP) acima de 4% dos imóveis. Em situação de alerta estão os municípios com IIP entre 1% e 3,9%, média infestação, e, em situação satisfatória, os municípios com IIP abaixo de 1%. A ferramenta do LIRAa/LIA permite aos profissionais que atuam no controle vetorial do Aedes aegypti no município, identificar e classificar os principais tipos de depósitos em que os focos do vetor foram encontrados, direcionando assim as ações de controle.

Por outro lado, o índice de infestação em alguns municípios ainda é considerado alto. Em Canindé o índice de infestação predial é de 10,6, seguido por Itatira com 8,3, Boa Viagem com 4,9. Madalena e Paramoti aparecem com um resultado positivo, abaixo de zero.